Share Button

Após presenciar o assassinato de dois jovens por drones responsáveis pela segurança pública, a vida do jovem Edwardo vira de cabeça para baixo. Como isso foi acontecer?, um software instruído a tarefas padrões e que deveriam ajudar a proteger os humanos? Robôs-homicidas? Como isso é possível?

Jeremias, criador do software Condão, que inicialmente era usado apenas para uso do sistema jurídico, processos que antes demoravam anos, agora eram resolvidos no mesmo instante. Porém o jovem Jeremias, que já havia ficado rico com apenas 16 anos com este seu software foi muito mais longe, ele erradicou a fome e a pobreza, melhorou – e muito – o sistema de saúde do país, criou drones de segurança e limpeza, definiu novas leis e tornou-se o líder da nação. Porém ele quis mais, e como o nosso histórico humano não é nada bom quando um governante, ou alguém importante sucumbe à maldição do poder, você já sabe né… Algo muito maior, ambicioso e tenebroso estará por vir.

Além da manipulação da mídia, que reforça que os pais não devem ter muito, às vezes até nenhum, contato com seus filhos, fidelidade, casamento e outras relações humanas são praticamente abolidas.

E pelas regiões do Brasil, Edwardo, sua namorada Sílvia, e seu melhor amigo Jânio, vão atrás de respostas para desvendar o crime. Só que quando o trio descobre que muitos outros fatos obscuros que influenciaram o atual nível de desenvolvimento dessa sociedade, uma nova realidade estarrecedora é revelada diante deles.

1

Imagem: Divulgação/Editora Novos Talentos

É realmente fascinante o Brasil que Giordano Mochel Netto criou. Um país onde não existem políticos corruptos, pobreza, fome, desigualdade social, analfabetismo e tantos outros males que nos atingem atualmente. Eu como cidadão brasileiro, realmente sonho em um dia em que isso possa realmente acontecer, uma sociedade justa, igualitária, e um país desenvolvido. Enquanto isso não acontece só me resta sonhar.

A crítica que Giordano faz de que as pessoas são facilmente manipuladas, pela moda, ou qualquer outra vertente, é realmente surpreendente. Uma sociedade onde a moda e as músicas sem conteúdo ditam as regras, também é nossa realidade.

Pelo menos pra mim no desenrolar da história, vi o Brasil de Giordano num universo cyberpunk, pessoas com cyber-implantes, mentes conectadas a grandes redes, pessoas sendo controladas pela mídia ditada pelo governo. E nesse momento que eu parei e pensei: “o quão humanos continuamos sendo mesmo onde praticamente 70% do corpo possui implantes? O quê somos nós?” Essa reflexão me fez lembrar do Paradoxo de Teseu, que é muito bem explicado pelo Atila Iamariano, host do canal no Youtube chamado Nerdologia. Se quiser entender mais e refletir, basta clicar aqui.

As referências que o Senhor Giordano fez também são muito boas (eu as peguei, hahaha). Os personagens são muito bem construídos (Glauco foi o meu favorito, e que lembra em muito o personagem Batou, do filme Ghost in the Shell. Filme esse que inspirou os irmãos Wachowski à criar a trilogia de filmes Matrix. Recomendo), e você acompanha os descobrimentos que os mesmos fazem no universo em que vivem.

As explicações vão vindo aos poucos e na medida certa, sem deixar nada solto. Quando as revelações vem, se prepare meu amigo, porque elas são sempre bombásticas e você não vai querer parar de ler até desvendar com os personagens tintim por tintim. Porém, se você é aquele leitor que lê mais de um livro por vez, e às vezes acaba se confundindo por conta disso, eu recomendo que leia apenas o livro e depois parta para outros títulos, pois este é carregado de palavras não usadas muito no nosso dia-a-dia e também algumas palavras de cunho advocatício, já que o Seu Giordano é bacharel em Ciência da Computação, especialista em Contabilidade Pública e Transporte Público, e atualmente divide seu tempo entre a Auditoria Estadual de Controle Externo do Tribunal de Contas do Maranhão, e é advogado. Leia com calma para que você absorva a história, entre no mundinho e viva-o.

São 400 páginas de puro conhecimento, aventura, ação, romance e muuuuita tecnologia. Não falarei tanto para deixar o resto para você que lerá o livro. Além disso, é muito bom ver a literatura brasileira ganhando destaque, sendo reconhecida, e possuir muita qualidade. Temos exemplos de Affonso Solano e Eduardo Spohr, que ganharam o mundo com suas obras literárias. Eu desejo do fundo do meu coração que a obra de Giordano seja absorvida por muito mais pessoas, tanto aqui no Brasil quanto no exterior. E por favor, Giordano, não pare por aí, ainda quero ver outros livros seus nas prateleiras. Foi muito bom conhecer sua obra.