Share Button

No dia 14 deste mês (segunda-feira), Ahmed Mohamed, um garoto de apenas 14 anos, de origem muçulmana que estuda na cidade de Irving, Texas, nos Estados Unidos, criou um relógio digital totalmente do zero. Porém, em vez de ser reconhecido pelo feito, o jovem sofreu com o preconceito e foi acusado de ter criado uma suposta bomba caseira.

1

Ahmed mostrou o relógio ao seu professor de engenharia, que elogiou seu trabalho, porém pediu que não mostrasse a sua criação a mais ninguém. Mas por um falta de felicidade sem tamanho, em sua aula de inglês, o relógio começou a disparar, e incomodada com o barulho, a professora que ministrava a aula averiguou o relógio e acabou confundindo com uma bomba. Assustada, ela acionou a direção do colégio, que imediatamente chamou a polícia para averiguar o caso.

O jovem foi preso, mas, segundo seu pai, ele apenas foi preso por causa de sua origem muçulmana e por conta da proximidade do dia 11 de setembro.

Porém o caso repercutiu, Mark Zuckerberg, criador do Facebook, se pronunciou dizendo que “a ambição de construir projetos deveria levar aplausos e não a prisão”. Além disso, o próprio Mark Zuckerberg convidou o menino a visitar a sede do Facebook. Barack Obama, presidente dos Estados Unidos também fez um convite à Ahmed, para levar sua criaação a Casa Branca para um evento de astronomia.

E Ahmed ainda foi presentado pelo CEO da Microsoft, Satya Nadella, com um tablet Surface Pro 3, um Microsoft Band, aparelho de pulso que mede sua pressão cardíaca, possui GPS e muito mais, além de outros presentinhos.

2

A Microsoft enviou vários itens tecnológicos de seu portfólio, como cópias do Office 365, além de outros acessórios. Em sua conta no Twitter a empresa respondeu ao tweet da mãe de Ahmed após receber os presentes:

Aproveite! Mal podemos esperar para ver o que você criará com tudo isso.

Claro que isso não deixou de ser uma jogada da Microsoft, porém há reconhecimento pelo garoto, pois certamente a empresa viu potencial nele. Espero que possamos ver criações de Ahmed no futuro.