Compartilhe!

No último domingo (22/09), diversos fãs deram adeus à mais uma ótima série da TV norte-americana. Após 8 temporadas, “Dexter” teve seu desfecho como “o fim de um bom livro”, nas próprias palavras do ator protagonista da série,  Michael C. Hall. Para os que abandonaram a trama antes do fim, pode ser que fiquem com a sensação de “já era hora”. Mas para os fãs, definitivamente o serial-killer irá deixar saudades.

Atenção! A partir do parágrafo seguinte há spoilers sobre o final da série.

Sinceramente, não me decepcionei com o fim da série assim como parecia que iria me decepcionar tendo em vista como foi essa temporada. No início, tudo parecia bem complicado com Dexter tendo problemas com sua irmã Debra e conhecendo alguém que sabia tudo sobre ele e que aparentava ser um pouco suspeita, a Dr. Vogel. Chegando ao meio da última temporada, a trama ficou um pouco fraca e não tão envolvente. É claro, não é possível dizer que não houveram bons momentos, pois isso seria mentira.

É visível que as últimas temporadas trabalharam a humanização do personagem, e que, na 8ª isso não foi tão diferente. A Dr. Vogel, que tentava explicar quem Dexter era e que ele deveria aceitar o que era, teve seus momentos de surpresa ao ver que uma das suas “experiências” tinha sentimentos e podia amar. Em algum momento isso iria acontecer, pois desde o início conseguíamos enxergar alguma coisa a mais no personagem além de um serial-killer.

As especulações sobre qual seria o destino de Dexter Morgan, quando o canal Showtime anunciou que a 8ª temporada seria a última, foram várias. Mas era impossível não pensar em como o personagem seria pego, quem o mataria, como ficaria sua família… e por aí vai. Para a minha surpresa, pelo menos, essas perguntas não precisaram de respostas.

Evidentemente seria muito mais fácil se Dexter morresse e tudo de bom e de ruim que o personagem fez, morresse com ele. Mas ao contrário do que muitos imaginavam, ele escolheu se afastar de todos que ainda poderiam ser salvos (dele mesmo) e viver com o peso de tudo que fez. Poderia ser estranho se ele não enxergasse que a tentativa de “ficar entre dois mundos” daria errado.

Cena do episódio final da série | Imagem: Reprodução/Simon Says... WATCH THIS!

Cena do episódio final da série | Imagem: Reprodução/Simon Says… WATCH THIS!

Para quem já assiste a série há um bom tempo ou conheceu logo nas últimas temporadas, com certeza estava difícil imaginar como tudo isso iria terminar. Talvez alguns personagens não tiveram um destino que podemos chamar de “perfeito”, mas também não foi assim tão ruim.

A capacidade que uma série de TV tem de envolver e provocar as emoções dos telespectadores é incrível. “Dexter”, desde o início, trabalhou muito bem nisso. Quem assiste a série entende o personagem e acaba entrando um pouco em seu mundo. Finalizar uma série assim não seria tarefa fácil e, é claro, não é possível agradar a todos.

Assim como tudo o que é bom pode durar pouco, tudo o que é ruim precisa chegar ao fim. Para mim, o final dessa série que é um das minhas favoritas, foi satisfatório. Apesar de diversas falhas na trama e de personagens que, de certa forma, ficaram esquecidos no final da série, o season finale não foi dos piores. Devo dizer que foi muito bom enquanto a série durou e, sim, é ruim saber que não haverá mais uma sala cheia de plástico e alguém que merece estar ali (em uma mesa) esperando para o que simpático e obscuro analista forense da polícia de Miami “dê um jeito”. Felizmente, muitas outras séries virão e para matar a saudade dos personagens de “Dexter”, é só rever as temporadas.

Para finalizar, o canal Showtime preparou um vídeo cheio de cenas de todas as temporadas para promover o final da série. Veja:

E aí, gostou do final de “Dexter”? Deixe sua opinião aí nos comentários e vamos debater sobre o que foi bom e o que não foi na série.

  • Roberto Rissato

    Obviamente, como tantas outras franquias de sucesso, a Showtime ARRASTOU Dexter até a oitava temporada. Até aí tudo bem, ele foi um grande antagonista, PORÉM, fazer o que fizeram com ele nos dois últimos minutos foi puro e simplesmente deixar um futuro rentável para o canal ou quem quer que seja, fazer dele como a merda da franquia de Velozes e Furiosos, Pânico, Jogos Mortais e tantos outros.

    Quero ver agora o spin-off que vai surgir ou um filme com Dexter

    Dexter vivo no pantanal matando os índios num dia de folga?
    Dexter numa madeireira no interior de Nashville fazendo estruturas de madeira para o maior rodeio do mundo e no horário do lanche assassinando algum turista?

    1º Como é que a Deb some do hospital e ninguém está lá? Cadê o Queen? Batista?Mathews?
    2º Deb e Dex “morrem” e ninguém se preocupa onde foi parar Harrison?
    3º Existe uma operação dos Federais atrás de Hanna e ninguém vai atrás de nada, depois que Clayton morreu e Elway sumiu?
    4º Elway simplesmente é esquecido envenenado no ônibus.
    5º A babá de Harrison e a filha de Masuka totalmente sem propósito na série.
    6º Cadê Masuka nesse final todo, tão importante?

    Resumindo: não gostei do final!

    • Vanessa Antunes

      Concordo com tudo oq vc falou, Roberto!
      A Produtora Executiva da série disse que Dexter não mata mais, pois se tornou humano e agora tem sentimentos. Agora ele vive uma vida triste, solitária e cheia de arrependimentos. Tá, beleza… De “certa forma” ele tá pagando por tudo oq ele fez, mas eu queria mesmo era que ele morresse com uma injeção letal. Ele era o grande vilão da série, mas tb era o grande herói!! Ele salvou mais gente do que matou, pois ele matava psicopatas (tirando um casinho aqui e outro ali ^^’).
      Acredito que Dexter não merecia viver triste eternamente e a Miami Metro merecia saber toda a verdade. Foram 8 anos entrando na vida de Batista, Quinn, Masuka… Eles também mereciam um desfecho.

      Final lixo esse!